Um filme: Fútbol Violencia S.A.

Fútbol Violencia S.A. é um documentário de 2009-10 de Pablo Tesoriere,  diretor e fotógrafo de nacionalidade argentina. Ele dirigiu, entre outros, Puerta 12 (que resenhei) sobre a confusão que matou mais de 70 pessoas num River x Boca no Estádio Monumental de Núñez.

Por que a violência no futebol? Por que tanta violência nos estádios argentinos? O futebol é um espelho do mundo? Essas são algumas das questões propostas ao se iniciar a obra. À última pergunta, o escritor Eduardo Galeano responde, de cara, “sim”: a violência faz parte do mundo, portanto, também integra o futebol. Durante quase duas horas, o mosaico de falas combina esta visão do futebol como reflexo da sociedade (e/ou como uma espécie de microcosmo) com o apontamento de elementos de especificidade que esta modalidade esportiva e a experiência concreta de frequentar seus estádios guardam naquele país: masculinidade / heterossexualidade / heteronormatividade, péssimos serviços, violência e hostilidade policial e institucional etc. Sempre considero importante destacar que, do ponto de vista histórico, inexistem características intrínsecas a qualquer modalidade esportiva – todas resultam do processo histórico de atribuição de valores pelas sociedades e indivíduos.

Abaixo está o trailer. Buscando pelo título, é possível encontrar o filme inteiro na mesma plataforma.

O documentário é sobre a violência no futebol, torcidas organizadas (barras bravas), crime e política. Vários entrevistados tratam os membros de torcidas organizadas do país como “militantes profissionais” ou “gente que vive do futebol”. Fala-se bastante sobre o dinheiro envolvido nas atividades, e que circula tanto em torno das partidas (obtenção e vendas de ingressos e drogas; traslados e demais custos para comparecer a jogos em casa e fora), quanto da administração dos clubes (patrocínio, transações de jogadores, categorias de base, contratos de prestação de serviços etc.). As barras bravas costumam ser fundamentais nas relações de poder clubísticas e decisivas nas eleições de diretoria. Não raro, o alcance do futebol e destas relações se integra ao âmbito político-partidário. (Embora o documentário não mencione seu nome – salvo engano meu -, Mauricio Macri presidiu o Boca Juniors entre 1995 e 2008. Em 2005, foi eleito deputado federal. Em 2007 e 2011, prefeito de Buenos Aires. Presidiu a República Argentina de 2015 a 2019.)

A maior parte das imagens que aparecem datadas – em especial vídeos de brigas nas arquibancadas e gramados – são de 2005-6. Há também gravações de protestos e passeatas de torcedores de clubes – neste caso, de 2007 a 2009, período de produção do próprio filme.
Fotos de arquivo retratam episódios passados – muitas delas em preto e branco, quando de décadas anteriores à de 1990. São matérias de jornais diários sobre os crimes e fotos pessoais – de acervos familiares – das vítimas fatais da violência.
Há muitas entrevistas, gravadas com diferentes enquadramentos de câmera. Falam torcedores, empresários, advogados, autoridades do estado (políticos/ex-políticos do Executivo e Legislativo, juízes), um psicólogo da polícia, um pesquisador (o onipresente Pablo Alabarces), familiares de jovens assassinados por torcedores, dirigentes/ex-dirigentes de clubes e jornalistas, muitos jornalistas. Somam-se depoimentos na saída de audiências dos processos criminais sobre a morte de torcedores e a gravação de reuniões envolvendo diferentes atores sociais para tratar de problemas de clubes, como o Talleres de Córdoba. Esse conjunto de imagens parece ter sido produzido e gravado especialmente para o filme.

Há um tanto de imagens repetidas (inclusive uma em que aparece um torcedor com uma camisa do Flamengo numa confusão dentro de um campo).

O filme permite considerar as variáveis que dizem respeito aos modos ou estilos de torcer, que vem sendo abordados por pesquisadores do futebol. Cantar, pular e agitar os braços são hábitos – não necessária nem essencialmente agressivos – de aficionados argentinos em modalidades esportivas distintas. Caso tenha dúvida, recomendo assistir a este vídeo da final da Copa Davis de 2016, em… Zagreb, na Croácia. Ou às imagens, no próprio Fútbol Violencia S.A., de jovens e sorridentes torcedores do Rosario Central num protesto de 2007.

O filme mostra confusões e brigas envolvendo a torcida de dezenas de times diferentes: o problema é geral. Há imagens de arquivo impressionantes. Impressionantes, mas não estranhas para quem está habituado a frequentar estádios brasileiros nos últimos 30 anos, ao menos. (Narrei memórias afins neste texto em que trato do livro Entre os vândalos).

Já estive em partidas de primeira, segunda e terceira divisões em diferentes estádios de Buenos Aires. Vi confusões e brigas a poucos metros de distância em duas ocasiões. A mais violenta delas, de longe, foi uma batalha campal na saída de um jogo de terceira divisão entre All Boys e Atlanta (há testemunhas: estava acompanhado de três colegas pesquisadores). Na “menos” violenta, Ariel, o argentino que acabara de encontrar na entrada do Nuevo Gasómetro (conheci o sujeito na véspera, dentro do metrô; ele me disse que veria o San Lorenzo no domingo e me convidou a ir) e fora gentilmente – sob meus protestos – tentar comprar ingresso com desconto com membros de uma torcida organizada, levou um soco na cara. A isso imediatamente se seguiu um choro do filho, de uns 8-10 anos, que tinha ficado sob meus cuidados e, compreensivelmente, se assustou ao ver o pai apanhar. “Papá peleó, Papá peleó”, gritava o menino, enquanto eu tentava acalmá-lo. O pai foi ao banheiro, lavou o rosto e veio nos encontrar como se nada tivesse acontecido. Dirigiu um “não foi nada” ao garoto, enquanto passava a mão na boca, ainda sangrando um pouco. Retorno ao filme.

Que fazer?

Segundo o documentário, a única providência tomada pela Associação do Futebol Argentino (AFA) fora a proibição de torcida visitante nos jogos. A AFA foi presidida por Julio Grondona por 35 anos, até 2014 – o dirigente estava no cargo durante o período de produção do filme, portanto. O que se convencionou chamar no Brasil de torcida única é uma das medidas “fáceis” de serem tomadas quando o objetivo é fingir que se está fazendo algo, mas não se quer enfrentar o problema. Outra é a perda de pontos – advogada inclusive por alguns pesquisadores do esporte, às vezes sob o pseudo-argumento de que “algo precisa ser feito” -, defendida e aplicada pelos mesmos dirigentes (no Brasil, na Argentina, na Espanha) que são parte crucial e estrutural  do problema.

A polícia frequentemente aparece como parte do problema, e não da solução. Os entrevistados apontam a corrupção estrutural como a principal questão, mas há quem aborde as péssimas condições de trabalho dos policiais, os salários baixos e a conduta muitas vezes violenta de alguns policiais.

A falta de investigações e de responsabilização pelas mortes e crimes correlatos no futebol (e no esporte) grassam na Argentina. Neste ponto, me parece, nada muito diferente do Brasil. Afinal, por aqui, até o Ministério Público Federal (celebrado por muitos por conta da Lava-Jato e outras operações), recusa-se terminantemente a utilizar a cooperação internacional e os documentos recebidos de procuradores e autoridades de países como Suíça e Estados Unidos para investigar dirigentes esportivos e seus corruptores (executivos e proprietários de empresas de comunicação, especialmente canais de televisão, detentores de direitos de exclusividade das transmissões; donos de agências de publicidade e de intermediação de contratos e negócios esportivos, como placas de publicidade fixa nos estádios) – conforme amplamente descrito, documentado e argumentado nas obras jornalísticas abaixo.

Sugestões de leitura

BUFORD, Bill. Entre os vândalos: a multidão e a sedução da violência. São Paulo: Companhia das Letras, 2010 [1991].

JENNINGS, Andrew. Jogo sujo: o mundo secreto da Fifa: compra de votos e escândalo de ingressos. São Paulo: Panda Books, 2011.

RIBEIRO JR., Amaury; CIPOLONI, Leandro; AZENHA, Luiz Carlos; CHASTINET, Tony. O lado sujo do futebol. São Paulo: Planeta, 2014.

Um comentário sobre “Um filme: Fútbol Violencia S.A.

  1. Pingback: 6/7/2020 – A Lenda

Os comentários estão desativados.